Time

Rony comemora retorno ao futebol com gols, cambalhotas e título

Créditos: Miguel Locatelli/Site Oficial

Foram quase oito meses afastado dos gramados. Nesse período, ele chegou ao Athletico Paranaense e treinou muito. Depois de um longo tempo apenas trabalhando, enfim chegou a oportunidade de voltar a jogar. Assim foi 2018 para o atacante Rony.

O camisa 9, que havia atuado no Albirex Nigata, do Japão, treinava no CAT Alfredo Gottardi e aguardava ansiosamente o aval para ser contratado. Até que no dia 31 de agosto o Rubro-Negro recebeu da FIFA a liberação para a sua contratação.

“Fiquei praticamente oito meses parado e graças a Deus o Athletico comprou a minha ‘briga’. É difícil só treinar, ir ao estádio só ver jogo, porque você fica com vontade de jogar”, contou. “Eu tinha a convicção de que daria certo e fico feliz por ter dado a volta por cima”, acrescentou.

Depois de muito treinamento, era a hora de entrar em campo e defender o Furacão. E logo na primeira partida, no dia 2 de setembro, ajudou a equipe a vencer o Bahia, por 2 a 0.

“A ansiedade era muito grande e o meu pensamento era estrear bem. Eu tive a oportunidade de estrear com gol e isso ficará marcado para sempre”, ressaltou.

Logo depois do gol, a comemoração que é uma marca na carreira de Rony: a cambalhota. “Eu faço essa comemoração desde quando comecei a jogar futebol. É uma marca minha e sai naturalmente quando marco gols. Espero dar continuidade nisso, fazendo gols e seguindo com a comemoração”, disse o atacante.

 

Além do gol na estreia, um outro chute que terminou com a bola tocando a rede marcou o ano do camisa 9. E aconteceu no último jogo do Rubro-Negro no Campeonato Brasileiro, no dia 1º de dezembro.

“O gol contra o Flamengo ficará marcado. Fazer um gol no Maracanã, contra o Flamengo, com mais de 60 mil pessoas, ficará na minha história”, garantiu Rony. “Foi o gol mais bonito pelo Athletico”, enfatizou.

O retorno ao futebol foi coroado com um grande título. Com a conquista da Conmebol Sul-Americana, Rony concretizou a volta por cima e a confiança gerada entre Clube e jogador.

“O título representa muita coisa, porque é um sonho. Mas representa muito para a minha família também, porque nas horas difíceis eles estiveram do meu lado, então ficará marcado para o resto da minha vida”, finalizou o camisa 9.

A reprodução das fotos é proibida, salvo prévia autorização por escrito do CAP.

Comentários

Anônimo
11 meses

Excluir
Tem um futuro enorme, precisa apenas entrar no ritmo dado que ficou tanto tempo sem jogar!

Jhonatam Moro
11 meses

Excluir
Bom atacante