Time

6 a 2! Maior goleada rubro-negra no Athletiba aconteceu há 83 anos

Créditos: Acervo histórico/Athletico Paranaense

O ano de 1938 começou movimentado para o Furacão. Como preparação para a temporada, o Athletico marcou uma série de amistosos. Um dos adversários foi o Coritiba, no dia 3 de abril. E como o jogo no campo do rival terminou empatado em 3 a 3, as diretorias decidiram realizar o “tira-teima” três dias depois, no Joaquim Américo.

O dia 6 de abril era uma quarta-feira de feriado. Celebrava-se o centenário da morte do “patriarca da independência”, José Bonifácio. Mas, na antiga Baixada, o que se comemorou realmente foi a maior goleada rubro-negra na história do clássico Athletiba.

O duelo servia para as equipes colocarem em ação alguns reforços para a temporada. No Athletico, uma das novidades era o goleiro Bino.

Bino veio de Antonina e se revelou um ótimo arqueiro. Mas, no Athletico, estaria sempre relegado à suplência de Caju. Assim, no final do ano, mudou-se para São Paulo, onde se tornaria ídolo do Corinthians e ganharia o apelido de “Gato Selvagem”.

Mas naquela tarde, Bino foi o titular do Furacão. Outros novatos em campo foram o zagueiro Gonzaga e um ponta direita que entraria para a história: Genésio Ramalho. Não como craque, mas como o futuro autor da melodia do hino athleticano.

Gol lá e gol cá

A expectativa era de mais um jogo equilibrado e foi isso o que se viu quando a bola rolou. Aos 10′, Castro invadiu a área pela direita e chutou rasteiro. O goleiro coritibano Ary não conseguiu segurar. Athletico na frente!

O Coritiba reagiu e chegou ao empate pouco depois, em um chute forte de Bibe.

Mas daí começou a brilhar a estrela do craque daquela tarde: o ponta-esquerda Oswaldo Cecatto, o Cecattinho. Em uma jogada incrível, ele deixou a defesa rival para trás, foi à linha de fundo e cruzou rasteiro para o centroavante Dario colocar o Furacão de novo em vantagem.

Mas o adversário conseguiu uma nova reação. Ainda na etapa inicial, Edgard anotou o novo empate: 2 a 2. Ninguém poderia imaginar o que estava por vir na etapa final.

Avalanche athleticana

Com Genésio no lugar de Castro, o Athletico voltou para o segundo tempo avassalador. Logo no início, Genésio chutou, o goleiro deu rebote e a bola ficou com Dario. O centroavante rolou para Mimi, que disparou um balaço: 3 a 2!

O rival tentou responder mais uma vez, mas quem voltou a marcar foi o Furacão. Em mais uma arrancada pela esquerda, Cecattinho foi ao fundo e cruzou na cabeça do meia direita Tute, que anotou 4 a 2. E em mais uma assistência de Cecattinho, Mimi marcou o quinto!

Mas o tento mais bonito da tarde ainda estava por vir. Para sacramentar a goleada e atuação memorável de Cecattinho. Ele recebeu a bola pelo lado esquerdo, próximo ao meio do campo e avançou. Com um belo drible, deixou Lival para trás e invadiu a área. O zagueiro Anjolilo tentou pará-lo, mas também ficou sem ver a cor da bola. Livre, Cecattinho ergueu a cabeça e soltou a bomba, na gaveta!

Athletico 6, Coritiba 2. Uma goleada imortalizada na história rubro-negra!

Na história: Athletico Paranaense 6×2 Coritiba
Amistoso
Data: 06/04/1938
Horário: 16h40
Local: Estádio Joaquim Américo
Árbitro: José Pereira Nascimento (Canhoto)

Athletico Paranaense: Bino; Zanetti e Gonzaga; Miro, Bibe e Bortolotti; Castro (Genésio), Tute, Dario, Mimi e Ceccatinho
Gols: Castro, Dario (2), Mimi, Tute e Ceccatinho

Coritiba: Ary (Lauro); Anjolilo e Argentino; Bicudo, Bibique (Borges) e Lival; Joãozinho, Oscar, Augusto, Edgard e Rubens
Gols: Bibique e Edgard

Comentários